Sistema de avaliação: como definir médias e avaliações para os alunos

Confira dicas para definir médias e avaliações para os alunos e garantir o sucesso de sua IES.

Definir médias e avaliações para os alunos é um procedimento comum e muito importante dentro de uma instituição de ensino.

Por meio das avaliações escolares é possível acompanhar o processo de ensino-aprendizagem – e analisar se a faculdade está cumprindo seu principal objetivo: proporcionar um aprendizado de qualidade, focado no desenvolvimento de novas competências e habilidades e, assim, formar um profissional preparado para atuar no mercado de trabalho.

O objetivo de um sistema de avaliação é mensurar tanto o aprendizado de cada aluno quanto as metodologias de ensino utilizadas pelo docente.

Mas, para ser efetivo, esse sistema deve priorizar o acompanhamento do desenvolvimento e progresso das aulas, e não apenas a aprovação ou reprovação do aluno no final do período letivo.

Por isso, ao definir médias e avaliações para os alunos, o gestor e a equipe pedagógica precisam planejar o sistema de avaliação, definindo um cronograma de acompanhamento e os melhores métodos – que deverão ser discutidos junto aos professores.

Além de acompanhar a evolução e desenvolvimento do aluno no processo de aprendizagem, um sistema de avaliação bem estruturado garante:

  • avaliação dos professores;
  • reconhecer as melhores didáticas e metodologias aplicadas em sala de aula;
  • a qualidade do ensino;
  • fortalecimento da universidade.

Para saber mais sobre a avaliação escolar, indico a leitura do seguinte artigo: Qual é o objetivo da avaliação escolar?

O sistema tradicional de médias

Dentro da sala de aula, cada professor precisa aplicar avaliações ao estudantes, de modo a aprovar ou reprovar o aluno em sua disciplina no final do curso ou período letivo. Para isso, a instituição define a nota mínima exigida para aprovação.

As avaliações aplicadas pelo professor são diversas. Confira alguns exemplos:

  • Redação sobre determinado tema;
  • Entrega de relatório ou trabalho;
  • Teste objetivo;
  • Prova dissertativa;
  • Avaliação oral;
  • Apresentação de seminários.

Essas avaliações são previamente combinadas com a turma e, para cada uma delas, o professor dará uma nota – e um peso, se for o caso – para, no final, somar os resultados e estabelecer a média de cada aluno.

Normalmente, são utilizados dois tipos de médias para a definição da nota final do aluno:

  • Média aritmética: também chamada de média simples, consiste na soma de todos os resultados obtidos, dividindo-a, posteriormente, pela quantidade de resultados somados. Por exemplo, se foram aplicadas duas provas, nas quais um aluno tirou notas 10 e 5, e solicitado um trabalho, no qual o aluno tirou nota 9, a média desse aluno será, considerando uma avaliação de 0 a 10, a soma de 10, 5 e 9, dividida por 3, ou seja, será 8.
  • Média ponderada: caso o professor trabalhe com pesos para cada avaliação aplicada, ou seja, se cada trabalho ou prova possui um grau de importância, a nota final do aluno será a média ponderada entre as notas obtidas. Para calculá-la, deve-se multiplicar o peso dado a cada avaliação pela sua respectiva nota obtida, somar os resultados e, depois, dividir tudo pela soma dos pesos. Por exemplo, há três avaliações, com pesos 5, 3 e 2, e o aluno tirou as notas 10, 8 e 9, respectivamente. Considerando notas de 0 a 10, a média final do aluno será 9,3.

Um sistema de avaliação além das médias

Como eu disse no início do artigo, a avaliação não deve ser utilizada apenas para fins de aprovação do aluno, para que a instituição de ensino consiga cumprir seu papel de ensinar e formar profissionais capacitados.

No âmbito da educação, existe muita discussão entre os especialistas – pedagogos e educadores – sobre os métodos de avaliação e seus objetivos.

A partir de uma concepção pedagógica mais moderna, para atingir os reais objetivos da educação e se tornar um cidadão mais consciente e preparado, o estudante necessita participar da construção de seu próprio conhecimento.

O brasileiro Paulo Freire, considerado um dos pensadores mais notáveis da história da pedagogia e reconhecido mundialmente, afirma que o processo de ensino-aprendizagem deve ser emancipatório.

Dessa forma, a partir da perspectiva freireana, os sistemas de avaliação deve ir além das tendências que centralizam o processo de ensino-aprendizagem apenas na avaliação quantitativa.

Assim, nessa visão de que educar é formar e aprender a partir da construção do próprio saber, uma avaliação efetiva não se reduz em apenas atribuir notas, sobretudo no ensino superior.

Retomando o objetivo de uma instituição de ensino superior, de formar cidadãos e profissionais conscientes e preparados, a formação vai além do conhecimento técnico, mas consiste na aquisição de outros tipos de saberes, como os motores, cognitivos, afetivos e sociais.

Desse modo, o sistema de avaliação deve considerar esses aspectos e verificar se estão sendo realmente atingidos, e em qual grau, para que, assim, os professores e a própria gestão da faculdade possam ajudar o aluno a progredir na aprendizagem e na construção do seu conhecimento.

Como definir médias e avaliações para os alunos

Para que o sistema de avaliação de uma instituição seja realmente efetivo, devem ser considerados todos os aspectos do ensino-aprendizagem.

Então, além de criar um sistema de médias para as disciplinas oferecidas no curso, a instituição pode adotar algumas outras ações para avaliar seus alunos e garantir um ensino de maior qualidade.

As atividades extracurriculares, por exemplo, garantem uma participação ativa do estudante nos projetos disponíveis na instituição de ensino, além da aquisição de novos e diferentes conhecimentos.

Os professores podem ser orientados, também, a aplicar uma autoavaliação, para que o aluno, por meio da observação e análise comportamental, reconheça suas qualidades e dificuldades, tomando consciência de quanto evoluiu e do que precisa ser trabalhado. Esse processo, entretanto, precisa ser contínuo.

Oferecer um acompanhamento psicopedagógico pode ajuda na avaliação do progresso do aluno no curso e evitar a evasão escolar, que muitas vezes ocorre pela falta de estímulo e pela autodepreciação quando um aluno encontra dificuldades no processo de aprendizagem.

Dica de leitura: Como evitar a evasão de alunos durante o curso?

A realização de debates em sala de aula também pode ser uma forma de avaliar a participação do aluno e suas habilidades em discutir e argumentar conceitos e de observar a realidade proposta pelo debate.

Trabalhos em grupo também são excelentes formas de se avaliar habilidades como liderança, tomada de decisões, resolução de conflitos, respeito às diferenças e à diversidade de opiniões, entre outros aspectos da sociabilidade, tão importantes na atualidade do mercado profissional.

Essas tarefas que fogem da aplicação de provas e exames podem ser usadas, inclusive, na composição da média do aluno, como pontos extras de participação.

Para lembrar

Você viu, até aqui, sobre a importância de um sistema de avaliação escolar bem estruturado e dicas para definir médias e avaliações para os alunos.

Porém, é importante ressaltar dois pontos:

  • Um sistema de avaliação efetivo não deve se limitar à análise quantitativa, atribuindo notas aos alunos que indicarão se foram aprovados ou não nas disciplinas.
  • A avaliação deve ser completa, analisando todos os aspectos do aprendizado, e contínua, para que possa indicar ao gestor os melhores caminhos e ações para garantir sempre a qualidade do ensino.

Se deseja ficar por dentro de todas as tendências do mercado educacional e receber conteúdos ricos e relevantes como o deste artigo, assine, agora mesmo, a nossa newsletter.

 

O que você achou deste conteúdo?

Muito RuimRuimRegularBomMuito Bom (média: 4,67)
Loading...

Sérgio Fiuza

View posts by Sérgio Fiuza
Sérgio é VP de Mercado da Quero Educação, startup que já inclui mais de 300 mil estudantes no ensino superior brasileiro por meio da concessão de bolsas de estudo. Além disso, construiu também carreira acadêmica, atuando como professor na Fundação Dom Cabral e Fundação Getúlio Vargas, além de participar de projetos no MIT e na Michigan State University.

3 Comments

  1. Cristiano28/03/2019

    Caro Sérgio,
    Parabéns pelo texto.
    Como você sugere que sejam feitos os registros, sob o ponto de vista jurídico, das avaliações pautadas em debates, apresentações de seminários e provas práticas?
    Como tornar válido o registro, caso haja alguma discussão jurídica sobre as menções obtidas pelos estudantes?
    Abraço!

    Responder
  2. Elisabeth01/04/2019

    Muito interessante o artigo. Parabenizo a iniciativa. Nos faz repensar nossas formas de avaliar. A sociabilização do conhecimento é extremamente importante para a mudança de práticas pedagógicas.

    Responder
    1. Sérgio Fiuza
      Sérgio Fiuza02/04/2019

      Fico imensamente feliz em ter contribuído. Abraços, Elisabeth!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll to top
[números e fatos]
[números e fatos]