5 estratégias que garantem a retenção de alunos

O fortalecimento da marca de uma IES não é composto apenas pelos números de captação de alunos. É fundamental ter um índice baixo de evasão de alunos, o que é um desafio para muitas instituições.

Desemprego e queda de vagas pelo FIES, por exemplo, são alguns dos fatores responsáveis pela queda de retenção de alunos, segundo o último Censo de Educação Superior do Ministério da Educação (MEC). Foi a primeira grande queda do índice em onze anos, o que resulta em um alerta para as instituições: como trabalhar com estratégias efetivas de retenção de alunos diante desse cenário?

 

como reter alunos

 

Separamos cinco estratégias que podem ajudar:

  • Dados que apresentam o perfil dos casos de evasão de alunos;
  • Sugestões de estratégias de retenção de alunos;
  • Material de apoio que pode ajudar na tarefa.

 

Evasão de alunos: por que acontece?

A tendência é que entre 17 e 25 anos de idade, quanto mais velho for o aluno, maior será o risco de evasão e trancamento. É uma informação extraída através de pesquisas realizadas pelo setor de Inteligência de Mercado da Quero Educação e podemos interpretar o resultado como uma situação que ocorre quando o aluno precisa conciliar os estudos com as obrigações da vida adulta, principalmente com a família, conforme a idade avança.

 

panorama do ensino superior

 

Realizamos o levantamento dos principais motivos que levam ao trancamento do curso. Confiram os resultados:

 

como reter alunos

 

A relação com o trabalho é o principal motivo para a evasão escolar. Quando o aluno trabalha, ele pode abandonar o curso por não conseguir conciliar os dois compromissos ou por que o valor da mensalidade não pode ser pago com o seu trabalho. Quando o aluno não trabalha, a dificuldade para pagar as obrigações com a IES é ainda maior. Confira nosso levantamento sobre o perfil de trabalho do aluno que acaba abandonando o curso:

 

como reter alunos

 

Estratégias para a retenção de alunos

 

Vamos, finalmente, descrever 5 estratégias que podem ajudar a aumentar os índices de retenção dos alunos:

 

1 – Pensar no aluno durante a Gestão Estratégica da IES

O aluno deve ser lembrado em todos os procedimentos do planejamento estratégico da IES: a precificação dos cursos, por exemplo, deve ser realizada a partir dessas perguntas: qual grupo de alunos que eu quero e que tenha condições de pagar pelo curso?

O yield management é uma estratégia que pode ajudar nesse caso. Também conhecido como Gestão de Lucros, é um conjunto de ações que tem como único objetivo trabalhar com a maximização dos lucros, com a saúde financeira de uma empresa, nem que as ações sejam cobrar, pelo mesmo serviço, com preços diferentes.

No caso do combate à evasão dos alunos, o yield management pode levar a equipe a pensar em ações que vão garantir o pagamento ou o ganho de matrículas de alunos, ainda que sejam efetuadas à base de descontos ou promoções. Dar um bom desconto a um aluno que se destaque no vestibular, por exemplo, é uma prática de yield management, e com a prática há a garantia de que o aluno realizará a matrícula, o que poderia não acontecer se houvesse a cobrança do valor original.

 

case de sucesso

 

No nosso Panorama sobre a Educação, elencamos alguns exemplos da prática e de que forma elas tornam as IES bem-sucedidas na retenção de alunos.

Uma técnica que pode auxiliar o gestor de faculdade a mensurar a evasão de alunos ao longo do ano é a métrica cohort. Esta técnica surgiu da necessidade das empresas que trabalham com assinaturas e mensalidades em reter seus clientes. Consiste na divisão destes em grupos de acordo com o acontecimento de um evento e com a data em que ele ocorreu. No caso da faculdade, considera-se a data de matrícula ou semestre em que se encontra determinada turma. 

 

2 – Enxergar  o aluno e suas necessidades

Após a captação dos alunos, é necessário monitorar o engajamento dos alunos. Um exemplo é nosso levantamento sobre o dado, em que constatamos quais são os itens que mais motivam os alunos a ficar em uma instituição:

 

como reter alunos

 

Uma outra forma de trabalhar isso é por meio do monitoramento constante das turmas matriculadas.

Para isso, podemos contar com a métrica cohort, uma mensuração sobre a qual já falamos no blog, e que aplicada às instituições de ensino, analisa o perfil de cada turma de alunos da IES em comparação ao total das matrículas ativas. Ao mesmo tempo em que é possível conhecer melhor as particularidades do público, a métrica torna mais fácil a mensuração dos índices de evasão e retenção.

 

cursos mais buscados

 

3 – Criar condições para que o aluno possa ficar

Além da aplicação de descontos na mensalidade, que podem ser realizadas pelo yield management, a IES pode pensar sobre outros fatores que também ameaçam o índice alto de retenção de alunos.

A empregabilidade pode ser um deles, quando há muitos alunos que em sua maioria não conseguem conciliar os estudos com as demandas do mercado, ou estão desempregados e não conseguem pagar as mensalidades.

A parceria da IES com institutos profissionalizantes e centros de estágio pode oferecer aos alunos as suas primeiras incursões no mercado de trabalho da área para a qual estudam. Ao mesmo tempo em que o aluno encontra uma fonte de renda relacionada aos seus estudos, a instituição consegue evitar uma evasão e manter o aluno na sala de aula.

 

4 – Adaptar práticas de ensino à realidade do aluno

Um dos elementos que pode engajar ainda mais o aluno a não abandonar os estudos é uma metodologia de ensino que saiba enxergar as particularidades do seu público.

A capacidade de aprender é diferente para cada aluno e muitas vezes a dificuldade para o acompanhamento de uma disciplina pode levar ao abandono do curso.

Uma técnica que pode ser trabalhada para evitar essas situações e dessa forma aumentar o envolvimento do aluno com a sala de aula é o adaptive learning. Com o uso de métodos mistos que usam a tecnologia e outros elementos, como a prática da sala invertida, o aluno encontra uma forma de aprender em seu ritmo e a superar diversas dificuldades.

 

5 – Investir em tecnologias: a técnica do blending learning

O público crítico para a retenção dos alunos é o composto por pessoas entre 17 e 25 anos. Jovens, eles se adaptariam a um modelo de blending learning, em que boa parte do conhecimento adquirido é por meio de aprendizado híbrido, que une práticas tradicionais e tecnologia.

 


 

 

Lições em formato e-learning, por exemplo, podem levar o aluno a ter acesso a conteúdos dirigidos e que também vão prepará-lo para o mercado de trabalho, cada vez mais alinhado a práticas que valorizam ferramentas tecnológicas.

 

como reter alunos

 

Para lembrar

  • Invista em yeld management e não se esqueça do aluno na gestão da IES;
  • Realize ações que criem condições para que o aluno fique;
  • Estabeleça ações de acompanhamento dos índices de retenção dos alunos;
  • Utilize técnicas de adaptative learning e incentive a retenção dos alunos;
  • A adoção de blending learning pode cativar o público e garantir índices maiores de retenção de alunos.

Quer saber mais? Na nossa última edição do Panorama do Ensino Superior, trazemos informações completas e a atualizadas sobre a situação das IESs brasileiras, com dicas de como trabalhar com situações de evasão de alunos, entre outros desafios. Clique aqui!

 

O que você achou deste conteúdo?

Muito RuimRuimRegularBomMuito Bom (média: 5,00)
Loading...

Sérgio Fiuza

View posts by Sérgio Fiuza
Sérgio é diretor de Mercado da Quero Educação, startup que já inclui mais de 450 mil estudantes no ensino superior brasileiro por meio da concessão de bolsas de estudo. Além disso, construiu também carreira acadêmica, atuando como professor na Fundação Dom Cabral e Fundação Getúlio Vargas, além de participar de projetos no MIT e na Michigan State University.

2 Comments

  1. Fábio16/12/2018

    Oi Sérgio, lendo seu artigo fiquei com uma pulga atrás da orelha. Lá no primeiro gráfico, constatou-se que 23% evadem por “outros compromissos pessoais/profissionais”. Existe uma métrica mais precisa sobre quais seriam esses motivos? Por se tratar de quase 1/4 to total das razões apontadas, fiquei curioso sobre quais seriam. Tem a ver com o gráfico do relatório de 2017 (Situação de trabalho dos alunos que evadiram) que mostra que 32% trabalham mais de 41 horas, ou os motivos são variados? (mudanças de cidade, etc). Enfim, pintou essa curiosidade.
    Abs e parabéns pelo artigo.

    Responder
    1. Sérgio Fiuza
      Sérgio Fiuza18/12/2018

      Olá Fábio, tudo bem? A sua pergunta é realmente muito boa. Estes 23% compõem os alunos que evadiram devido ao desemprego que os impossibilitou de continuar realizando o pagamento das mensalidades, uma promoção no trabalho que aumentou a sua carga horária e portanto o impossibilitou de se dedicar aos estudos, o nascimento de um filho que o impossibilitou de dedicar parte de seus ganhos para os estudos e etc. O gráfico do relatório de 2017 está sim relacionado. Obrigado pela participação, volte sempre! Abraços.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll to top
[números e fatos]
[números e fatos]